Responsabilidade Social



Sustentabilidade, preservação do meio ambiente, uso consciente dos recursos naturais e energéticos. As questões ecológicas têm sido amplamente discutidas em todos os setores, especialmente quando o assunto é TI.

Há alguns anos, as empresas de tecnologia vêm analisando a sua influência neste impacto, trabalhando pela consciência ambiental e realizando ações de sustentabilidade. A chamada TI Verde ganha espaço nas organizações.

A atuação em TI de forma consistente leva a empresa a ser percebida com mais valor pelo mercado e pela sociedade. Prova disso é um levantamento feito pelo Instituto Sem Fronteiras, organização sem fins lucrativos especializada na realização de pesquisas e cursos nos setores de Tecnologia da Informação, Telecomunicações e Internet. A pesquisa foi realizada junto a 1.140 empresas e constatou que 44% delas já possuem uma política formal de TI verde e 15% disseram que começarão a adotar em breve. Ainda segundo o estudo, realizado em 2011, nos últimos anos, a adesão à TI verde cresceu 500%.

A Infomaniacs®, por exemplo, possui diversas ações que integram sustentabilidade e tecnologia da informação, como: equipamentos com maior eficiência energética; espaços com iluminação automatizada; sistema automatizado para desligar monitores; uso de servidores virtuais que substituem os servidores físicos, diminuindo o calor das máquinas, necessitando assim de menor quantidade de ar gelado dentro do Data Center; utilização do conceito de corredores quentes e frios, nos quais o ar frio é direcionado para os locais onde realmente as máquinas necessitam de refrigeração.

Há até bem pouco tempo, essa era uma questão distante, mas, hoje, as vantagens econômicas estão impulsionando os investimentos em sustentabilidade e meio ambiente. E o destaque que a responsabilidade social e a TI Verde ganham nas estratégias corporativas é muito maior do que apenas uma troca de equipamentos, e os gestores de tecnologia devem ter isso em mente.

Virtualização, Cloud Computing, reengenharia em Data Centers, softwares de economia de energia, impressão por senhas, equipamentos menores e mais facilmente recicláveis e inclusão digital. Estas são as ações mais comuns que podem ser consideradas ações de TI Verde, de acordo com Herbert Mascarenhas, membro da Associação Brasileira de Profissionais de Sustentabilidade (Abraps).

Em entrevista exclusiva ao Em Notícia, Herbert destacou que as empresas brasileiras têm buscado a excelência em design verde e matérias-primas não tóxicas. “Muitas já utilizam soluções de economia de energia, pois, além de serem ambientalmente conscientes, querem exportar e, hoje, isto é imprescindível”, afirmou.

O entrave que envolve a questão da TI Verde ainda se localiza no descarte, destaca o especialista. Segundo ele, o que as empresas têm feito ainda é pouco neste quesito.

Em relação à capacitação de profissionais para trabalhar com a TI Verde, Mascarenhas pontua que, até pouco tempo atrás, havia um perfil reativo, em que era necessária uma provocação para resolver ou criar. Contudo, a TI Verde trouxe novidades que têm feito com que esses profissionais participem ainda mais dos conceitos e estratégias a serem aplicadas.

Ler, participar de eventos do setor e procurar os fornecedores engajados é uma forma de mudar o cenário da empresa para melhor atender à sustentabilidade, gastando menos energia, menos papel, menos matéria-prima, menos servidores, menos espaço e até conceitos como o uso de menos de uma máquina por colaborador.

Um dos objetivos buscados pelas empresas que aderem à TI Verde são as certificações. Para estar um passo à frente no mercado, as organizações têm como meta serem reconhecidas pela credibilidade e responsabilidade ambiental. Estas certificações envolvem uma série de exigências e controles que as colocam em melhores posições e até mesmo chegam a ser exigências em licitações no mercado.

No Brasil, há a certificação ISO 14001, aplicável às empresas de tecnologia, que detalha requisitos para empresas identificarem, controlarem e monitorarem seus aspectos ambientais por meio de um sistema de Gestão Ambiental.